domingo, 30 de novembro de 2014

ORAÇÃO E BLÁBLÁBLÁ


...Ele julgará a favor do seu povo
e fará isso bem depressa.

Lucas 18.8 (leia 18.1-8) – NTLH

 

Na Parábola da Viúva e o Juiz, o juiz atendeu a mulher só para que ela parasse de “encher o saco”. Ele não tinha compaixão, respeito, dedicação à justiça e aos direitos humanos. Julgou o caso da viúva a favor dela para que ela parasse de aborrecê-lo com sua insistência! Ela se tornou inconveniente. Venceu o juiz “pelo cansaço”.

Muitas vezes os cristãos agem como se Deus fosse igual ao juiz desonesto. Acham que podem vencê-Lo pelas orações. Montam vigílias de oração como se Ele fosse influenciado pela insistência em orar a noite toda. Organizam clamores, achando que por gritos bem altos Deus seria movido a atendê-los. Acham que oração tem poder e longas orações mais ainda... Creem que por muito orar serão ouvidos. Acham que a oração poderosa é aquela que é gritada, às vezes amplificada por um sistema de som com alto-falantes possantes.

Para muitos, a oração é instrumento de manipulação para pressionar Deus a fazer a vontade humana, confundindo-a com a vontade divina. Este tipo de fé é depositado no poder das suas orações bem feitas, não na compaixão incondicional de Deus.

Jesus deixou bem claro que seu Papai é o oposto do juiz desonesto. Ele não precisa de vigias, clamores e gritaria para atender seus filhos e filhas. Já sabe das suas necessidades, mesmo antes deles chorarem a sua dor. Deus não demora. Não precisa ser pressionado, nem informado. Deus atende porque Ele é amor, não porque nós oramos.

Para que serve a recomendação de “orar sempre e não desanimar”? Para Jesus, a oração começa com o ouvir, não o falar. A base da oração está na atitude de “seja feita a Tua vontade (não a minha)”. Para saber a vontade de Deus precisamos, primeiro, ouvir a voz do Seu Espírito. Jesus orava (ouvia) intensamente, sozinho, na calada das noites. Criticava orações feitas em público. A oração verdadeira é a comunhão do Seu Espírito com o nosso espírito. Nosso falar vem, depois de ouvir, com palavras de gratidão, somente para os “ouvidos” de Deus como um sussurro no ouvido de amante.

Deus não é surdo, ignorante ou desinteressado. O mundo não precisa ser mudado. Deus o fez com perfeição. Somos nós que precisamos mudar. O nosso estilo de vida cria diretamente ou indiretamente, as condições que causam desequilibro, injustiça e sofrimento. Não adianta clamar a Deus por aquilo que nós causamos.

A oração “sempre e sem desanimar” é viver em sintonia constante em todas as atividades. Oração não é uma atividade à parte das outras, é uma atitude permanente, sem cessar. Acompanha tudo que fazemos. Vai além de meras palavras.

Jesus falou em encontrar “fé na terra”. Fé é viver em harmonia com Deus, o próximo e a criação. Transforma seu portador em instrumento de construção de um mundo melhor, mais amável, mais solidário. A oração de fé não é blábláblá!

 

Lucas 18:1-8 – Nova Traduҫão na Linguagem de Hoje 2000 (NTLH)

A VIÚVA E O JUIZ

Jesus contou a seguinte parábola, mostrando aos discípulos que deviam orar sempre e nunca desanimar:

— Em certa cidade havia um juiz que não temia a Deus e não respeitava ninguém. Nessa cidade morava uma viúva que sempre o procurava para pedir justiça, dizendo: “Ajude-me e julgue o meu caso contra o meu adversário!”

— Durante muito tempo o juiz não quis julgar o caso da viúva, mas afinal pensou assim: “É verdade que eu não temo a Deus e também não respeito ninguém. Porém, como esta viúva continua me aborrecendo, vou dar a sentença a favor dela. Se eu não fizer isso, ela não vai parar de vir me amolar até acabar comigo.”

E o Senhor continuou:

— Prestem atenção naquilo que aquele juiz desonesto disse. Será, então, que Deus não vai fazer justiça a favor do seu próprio povo, que grita por socorro dia e noite? Será que ele vai demorar para ajudá-lo? Eu afirmo a vocês que ele julgará a favor do seu povo e fará isso bem depressa. Mas, quando o Filho do Homem vier, será que vai encontrar fé na terra?

Nenhum comentário: