domingo, 25 de janeiro de 2015

NASCIDOS DO VENTO


O vento sopra onde quer,
e ouve-se o barulho que ele faz,
mas não se sabe de onde ele vem,
nem para onde vai.
A mesma coisa acontece com todos
os que nascem do Espírito.

João 3.8 (leia 3.1-17) – NTLH

 

Nicodemos, sem saber, estava amarrado, preso pela tradição. Era líder religioso e bem instruído dentro dos conceitos da sua seita. Certamente era zeloso e sincero. Tinha raízes, mas não asas. Queria voar. Alguma força o impulsionou a procurar Jesus. Jesus, na sua sensitividade e percepção espiritual, compreendeu a inquietação de Nicodemos e foi direto ao assunto: “Nicodemos, você precisa sair de novo do útero”.

Pegado de surpresa, espantado, Nicodemos exclamou: –Como? Já nasci uma vez! Como nascer de novo?

Jesus explicou que há diversos jeitos de nascer. Além do nascer do ventre da mãe é possível nascer do *vento de Deus. O vento é livre para soprar onde quer. É misterioso: pode ser sentido e ouvido, mas não sabemos de onde vem, nem para onde vai. Sendo nascido do vento, pode voar até lugares inimagináveis!...

Em outras palavras Jesus estava dizendo: –Nicodemos, você já saiu do ventre materno para poder crescer e tornar-se adulto, mas está “preso em outro útero”, a lei da sua religião. Para tornar-se filho de Deus, você precisa romper os limites que as regras impõem e nascer do vento (espírito) libertador de Deus.

O útero é indispensável para a nossa vida! Sem o ventre do corpo feminino, nenhum de nós teria chegado a ser um ser humano. Ninguém nasce sem mãe. Embora essencial, a barriga materna não é um lugar de permanência, é necessário sair para continuar viver. Nascer é ser expulso da mãe e cortar o cordão umbilical. A finalidade da religião é servir de “útero” para a formação da nossa fé, não ser veículo para nos levar para o céu (salvação). Deve dar condições para sair da dependência materna e ter autonomia para viver sem ela. Mães possessivas estragam seus filhos. Igrejas possessivas geram crentes mimados, submissos e dependentes. Nascendo do espírito, Nicodemos podia superar as limitações do seu útero espiritual.

Nenhum sistema religioso possui toda a verdade e consegue atender a humanidade em todas as dimensões. Dentro dos nossos sistemas fechados o movimento do espírito é muito limitado. Precisamos instalar ventiladores, gerar uma brisa artificial...

O vento sopra em lugares abertos. Não pode ser confinado. Sua natureza é ser livre. Ser nascido do espírito é ser livre. É ultrapassar barreiras. É andar pelo mundo, atravessando fronteiras, montanhas e oceanos. Quem é nascido do espírito pode voar nas asas do vento e fazer a sua presença sentida no mundo. Não é confinado dentro de um sistema fechado de dogmas e leis.

Jesus convidou Nicodemos para romper as barreiras do seu útero espiritual e acompanhá-lo em uma nova aventura de fé. Este convite é universal e perene. Nós também somos convidados a nascermos do vento divino e sermos mensageiros do amor de Deus ao mundo!...

--------------------------------------------------------------------------------

* No texto grego, vento e espírito são a mesma palavra.

 

João 3:1-17 – Nova Traduҫão na Linguagem de Hoje 2000 (NTLH)

JESUS E NICODEMOS

Havia um fariseu chamado Nicodemos, que era líder dos judeus. Uma noite ele foi visitar Jesus e disse:

— Rabi, nós sabemos que o senhor é um mestre que Deus enviou, pois ninguém pode fazer esses milagres se Deus não estiver com ele.

Jesus respondeu:

— Eu afirmo ao senhor que isto é verdade: ninguém pode ver o Reino de Deus se não nascer de novo.

Nicodemos perguntou:

— Como é que um homem velho pode nascer de novo? Será que ele pode voltar para a barriga da sua mãe e nascer outra vez?

Jesus disse:

— Eu afirmo ao senhor que isto é verdade: ninguém pode entrar no Reino de Deus se não nascer da água e do Espírito. Quem nasce de pais humanos é um ser de natureza humana; quem nasce do Espírito é um ser de natureza espiritual. Por isso não fique admirado porque eu disse que todos vocês precisam nascer de novo. O vento sopra onde quer, e ouve-se o barulho que ele faz, mas não se sabe de onde ele vem, nem para onde vai. A mesma coisa acontece com todos os que nascem do Espírito.

— Como pode ser isso? — perguntou Nicodemos.

Jesus respondeu:

— O senhor é professor do povo de Israel e não entende isso? Pois eu afirmo ao senhor que isto é verdade: nós falamos daquilo que sabemos e contamos o que temos visto, mas vocês não querem aceitar a nossa mensagem. Se vocês não creem quando falo das coisas deste mundo, como vão crer se eu falar das coisas do céu? Ninguém subiu ao céu, a não ser o Filho do Homem, que desceu do céu.

— Assim como Moisés, no deserto, levantou a cobra de bronze numa estaca, assim também o Filho do Homem tem de ser levantado, para que todos os que crerem nele tenham a vida eterna. Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna. Pois Deus mandou o seu Filho para salvar o mundo e não para julgá-lo.

Nenhum comentário: