domingo, 12 de abril de 2015

UM HOMEM CHAMADO LÍDIA


Uma daquelas mulheres que estavam nos ouvindo
era Lídia, uma vendedora de púrpura,
da cidade de Tiatira.
Ela adorava a Deus, e o Senhor abriu a mente dela
para que compreendesse o que Paulo dizia.
Ela e as pessoas da sua casa foram batizadas.
Depois Lídia nos convidou, dizendo:
“Venham ficar na minha casa,
se é que vocês acham que,
de fato, eu creio no Senhor.”
Assim ela nos convenceu a ficar na casa dela.

Atos 16.14-15 (leia 16.9-15) – NTLH

Paulo teve uma visão de um homem sem nome, chamando-o para ir à Macedônia. Mas o seu primeiro contato, ao chegar lá, foi com uma mulher chamada Lídia. Lucas, o autor de Atos, e Paulo, personagem principal da obra, eram filhos de uma cultura patriarcal. Em grande parte, ignoravam a participação feminina na história. Atos tem a característica masculina: colocar o evangelho em clima de confrontos, debates, proezas e violência com seus heróis e vilões masculinos. Lídia consegue furar o esquema e projetar o lado feminino do evangelho: acolhimento e hospitalidade! Paulo sabia argumentar, mas Lídia sabia acolher. Se não fossem as “Lídias”, a história da igreja seria outra.

Apesar da presença feminina ser a grande maioria nas igrejas de hoje, as mulheres continuam escondidas e se escondendo. As igrejas, com sua estrutura “patriarcal”, dão importância a autopromoção e manutenção de suas estruturas de poder. A espiritualidade feminina não dá importância a hierarquias. Suas prioridades são laços afetivos, relacionamentos e nutrição.

Certamente Lídia foi mencionada em Atos porque ela hospedou os homens, Paulo, Silas e Lucas. A mulher é colocada em destaque na igreja institucional a medida que ela contribui para manter o sistema. A igreja patriarcal restringe as mulheres, colocando a espiritualidade feminina em segundo plano. A espiritualidade masculina se impõe, criando estruturas opressivas que não deixam a espiritualidade feminina desabrochar.

Esta é a única passagem bíblica narrada na primeira pessoa do plural: nós embarcamos, chegamos, fomos, ficamos, saímos, pensávamos, sentamos e começamos. Em todo o resto da Bíblia, as narrações são contos. Lucas viu que Lídia apareceu e foi devidamente destacada. Embora sempre presentes e atuantes em Atos, as mulheres são colocadas em plano secundário.

Nos documentos da igreja esta tendência continua até hoje. Nas atas de concílios e outras reuniões administrativas, a mulher pouco aparece, deixando a impressão que a igreja é, na sua grande maioria, masculina!... Mas, entrando em contato direto com as igrejas locais, é evidente que a grande maioria é feminina e que as mulheres são o sustentáculo da instituição. É igual galinheiro: os galos cantam, mas as galinhas botam os ovos, chocam e criam os pintinhos. Glorificamos os “galos” e seus cantos que promovem submissão e conformismo.

Precisamos enxergar as “Lídias” e imitá-las. A alma do cristianismo é o espírito acolhedor feminino, não argumentos e estruturas masculinas. Os homens necessitam cultivar o espírito de “Lídia”.

ATOS 16:9-15 – NOVA TRADUҪÃO NA LINGUAGEM DE HOJE 2000 (NTLH)

Naquela noite Paulo teve uma visão. Ele viu um homem da província da Macedônia, que estava de pé e lhe pedia: “Venha para a Macedônia e nos ajude!” Logo depois dessa visão, nós resolvemos partir logo para a Macedônia, pois estávamos certos de que Deus nos havia chamado para anunciar o evangelho ao povo dali.

EM FILIPOS: A CONVERSÃO DE LÍDIA

Nós embarcamos em Trôade e fomos diretamente para a ilha de Samotrácia. No dia seguinte chegamos ao porto de Neápolis. Dali fomos a Filipos, que é uma cidade do primeiro distrito da província da Macedônia e também colônia romana, onde ficamos vários dias. No sábado saímos da cidade e fomos para a beira do rio, pois pensávamos que ali devia haver um lugar de oração para os judeus. Sentamos e começamos a conversar com as mulheres que estavam reunidas lá. Uma daquelas mulheres que estavam nos ouvindo era Lídia, uma vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira. Ela adorava a Deus, e o Senhor abriu a mente dela para que compreendesse o que Paulo dizia. Ela e as pessoas da sua casa foram batizadas. Depois Lídia nos convidou, dizendo:

— Venham ficar na minha casa, se é que vocês acham que, de fato, eu creio no Senhor.

Assim ela nos convenceu a ficar na casa dela.

Nenhum comentário: